Pular para o conteúdo principal

Expansão da frota de navios deve ajudar crescimento da cabotagem

Expansão da frota de navios deve ajudar crescimento da cabotagem

Modal ainda possui participação tímida, mas tem boas perspectivas para o futuro



 
 
Cabotagem ainda tem participação tímida como modal de transporte
O navio de produtos Sérgio Buarque de Holanda, construído pelo Estaleiro Mauá, do Rio de Janeiro, começou a operar no início de julho. O petroleiro é a terceira embarcação entregue dentro do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef), incluído na segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e responsável pela revitalização da indústria naval brasileira. Junto com essa renovação da frota, ganha participação a cabotagem, um modal ainda pouco valorizado no Brasil.
O avanço das economias do Norte e do Nordeste, que vêm apresentando altas taxas de crescimento, e o ingresso de mais pessoas na classe C têm criado oportunidades para a cabotagem, principalmente com o transporte de eletrônicos e granéis sólidos. O Promef contribui para esse crescimento com a encomenda de 49 navios a estaleiros nacionais. “O segmento tem grande potencial de expansão principalmente nos navios porta-contêineres e graneleiros, para transporte de grãos e minérios. Os estaleiros brasileiros estão construindo ambos os tipos de navios, mas as encomendas ainda são modestas diante das perspectivas de expansão desse setor”, conta Ariovaldo Rocha, presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval).

A perspectiva de aumento de participação da cabotagem atinge tanto a indústria naval quanto os operadores marítimos. Para o vice-presidente executivo do Sindicato Nacional das Empresas de Navegação Marítima (Syndarma), Roberto Galli, “a cabotagem pode ajudar - e muito - diminuindo os custos de logística da distribuição interna de produtos”. “Até 1994, com o advento do Real, a cabotagem não podia concorrer. Viajar de navio leva mais tempo do que de caminhão e o prazo de recebimento das vendas era fundamental, sem o que, a inflação corroía o resultado da venda. Desde então, entendeu-se que a cabotagem poderia ser possível, o desafio é que seja tão desonerada e desburocratizada quanto o modal rodoviário”, lembra.

A retomada da expansão da frota ainda conta com pouca participação para a cabotagem. O pré-sal tem puxado encomendas para a indústria off-shore, de óleo e gás. O presidente da Associação Brasileira da Indústria Naval e Offshore (Abenav), Augusto Mendonça, estima que a construção de navios especificamente para a cabotagem ainda seja de apenas 5%. “A Petrobras é dona de quase metade da frota de cabotagem no Brasil. Com a renovação da frota, deve ficar com participação ainda maior. Mas existem planos do governo, a longo prazo, de mudar o foco dos modais de transporte brasileiros, diminuindo sensivelmente o rodoviário e partindo para investimentos no ferroviário e no marítimo, o que dá esperança para a cabotagem”, afirma.

Cartola – Agência de Conteúdo
Especial para o Terra







Referências Bibliográficas
http://transporteelogistica.terra.com.br/logistica/integra/251/expansao-da-frota-de-navios-deve-ajudar-crescimento-da-cabotagem

Postagens mais visitadas deste blog

Objetivos da Logística

Logística tem por objetivo planejar, colocar em operação e controlar as atividades de logística de uma empresa, utilizando as metodologias e tecnologias atualizadas de gestão e identificando oportunidades de redução de custos, aumento da qualidade dos serviços em geral e aumento da qualidade de cumprimento do prazo. O profissional sairá preparado para aperfeiçoar os processos de aquisição, armazenamento e distribuição de materiais dentro do conceito de cadeia de suprimento (supply-chain), bem como para analisar aspectos de dimensão e localização de Centros de Distribuição, visando à minimização de custos operacionais e tributários, sem perda na qualidade dos serviços, e possibilitando vantagens competitivas para a empresa.




No Brasil, o Decreto-Lei 1.598/77, em seu artigo 14 determina que: o contribuinte que mantiver sistema de contabilidade de custo integrado e coordenado com o restante da escrituração poderá utilizar os custos apurados para avaliação dos estoques de produtos, principa…

Gargalos Logísticos

O sentido no qual o termo "gargalo" está sendo empregado é de representar os fatores que configuram um estrangulamento, um impedimento à expansão ou desenvolvimento de alguma atividade econômica.

Os "gargalos" são todos os pontos dentro de um sistema industrial que limitam a capacidade final de produção. E por capacidade final de produção devemos entender a quantidade de produtos disponibilizados ao consumidor final em um determinado intervalo de tempo.
São vários problemas que comprometem a logística no Brasil e, consequentemente, a competitividade e eficiência tanto da indústria nacional (inviabilizando as exportações em alguns casos) quanto das filiais brasileiras de empresas multinacionais.
Os gargalos da logística inclusive já estão computados no chamado "Custo Brasil".
Os fatores e as questões socioambientais somadas às questões comerciais e econômicas apresentam-se latentes nas questões estratégicas das operações o que resulta em investimentos logísti…

20 perguntas mais comuns em uma entrevista de emprego e dicas de como você pode respondê-las para se dar bem em um processo de seleção.

1. Fale sobre você.
Não existe regra. Cada entrevistador tem uma expectativa. No geral, o selecionador quer saber mais sobre a formação acadêmica do candidato, o que ele gosta de fazer (hobby), seus sonhos e expectativas. A orientação é direcionar o discurso para o âmbito profissional.
2. Quais são seus objetivos a curto prazo?
O candidato tem de pensar qual é o seu objetivo antes da entrevista. Só assim vai saber se determinada oportunidade de empregoé interessante para ele. É necessário que o profissional “entreviste” também a empresa e averigue se a proposta é significante para sua carreira.
3. Quais são seus objetivos a longo prazo?
Como em uma relação a dois, é primordial que a pessoa deixe claro quais são seus anseios na vida profissional. Para isso, é preciso ter clareza. O erro da maioria dos candidatos é a passividade, isto é, aceitar uma proposta sem saber o que é relevante para sua trajetória profissional.
4. Como você lida com as pressões do trabalho?
O candidato deve dar …